Blogspot
Enfermagem
Perfil do Egresso

Enfermagem Única Contagem

 O perfil do egresso desejado para o curso de Enfermagem da Faculdade Única de Contagem foi construído atendendo ao art.3º, da Resolução nº 3, de 7 de Novembro de 2001, tem como perfil do formando egresso/profissional: Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado para o exercício de Enfermagem, com base no rigor científico e intelectual e pautado em princípios éticos. Capaz de conhecer e intervir sobre os problemas/situações de saúde-doença mais prevalentes no perfil epidemiológico nacional, com ênfase na sua região de atuação, identificando as dimensões biopsicossociais dos seus determinantes. Capacitado a atuar, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, sendo promotor da saúde integral do ser humano. 

A formação do Enfermeiro deve atender as necessidades sociais da saúde, com ênfase no Sistema Único de Saúde (SUS) e assegurar a integralidade da atenção e a qualidade da humanização do atendimento. 

O profissional Enfermeiro estará qualificado para atuar no processo de cuidar, nas práticas educativas e administrativas, fundamentado na capacidade de liderar, tomar decisões apropriadas e eficazes, desenvolvendo a comunicação verbal e não-verbal, habilidades de escrita e leitura, mantendo uma confidencialidade das informações a ele confiadas, tendo em vista o bem-estar da comunidade e da equipe multiprofissional. 

O Enfermeiro deverá ser capaz de desenvolver práticas educativas nas diferentes fases do ciclo vital, com responsabilidade e compromisso com a educação permanente da equipe. 

Fundamentado nas DCNs, o curso de Enfermagem busca instrumentalizar o aluno nas seguintes habilidades e, necessários ao enfermeiro:

Competências e habilidades gerais:

Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e continua com as demais instâncias do sistema de saúde. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto a nível individual como coletivo;

Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir habilidades para avaliar, sistematizar e decidir a conduta mais apropriada;

Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação;

Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumirem posições de liderança, sempre tendo em vista o bem estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;

Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde;

Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde deve m aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, não apenas transmitindo conhecimentos, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços.

Competências e habilidades específicas:

atuar profissionalmente, compreendendo a natureza humana em suas dimensões, em suas expressões e fases evolutivas;

incorporar a ciência/arte do cuidar como instrumento de interpretação profissional;

estabelecer novas relações com o contexto social, reconhecendo a estrutura e as formas de organização social, suas transformações e expressões;

desenvolver formação técnico-científica que confira qualidade ao exercício profissional;

compreender a política de saúde no contexto das políticas sociais, reconhecendo os perfis epidemiológicos das populações;

atuar nos programas de assistência integral à saúde, de comunicar-se, de tomar decisões, de intervir no processo de trabalho, de trabalhar em equipe e de enfrentar situações em constante mudança;

reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;

atuar nos programas de assistência integral à saúde da criança, do adolescente, da mulher, do adulto e do idoso;

ser capaz de diagnosticar e solucionar problemas de saúde, de comunicar-se, de tomar decisões, de intervir no processo de trabalho, de trabalhar em equipe e de enfrentar situações em constante mudança;

reconhecer as relações de trabalho e sua influência na saúde;

atuar como sujeito no processo de formação de recursos humanos; 

responder às especificidades regionais de saúde através de intervenções planejadas estrategicamente, em níveis de promoção, prevenção e reabilitação à saúde, dando atenção integral à saúde dos indivíduos, das famílias e das comunidades;

reconhecer-se como coordenador do trabalho da equipe de enfermagem;

assumir o compromisso ético, humanístico e social com o trabalho multiprofissional em saúde.

promover estilos de vida saudáveis, conciliando as necessidades tanto dos seus clientes/pacientes quanto às de sua comunidade, atuando como agente de transformação social;

usar adequadamente novas tecnologias, tanto de informação e comunicação, quanto de ponta para o cuidar de enfermagem;

atuar nos diferentes cenários da prática profissional, considerando os pressupostos dos modelos clínico e epidemiológico;

identificar as necessidades individuais e coletivas de saúde da população, seus condicionantes e determinantes;

intervir no processo de saúde-doença, responsabilizando-se pela qualidade da assistência/cuidado de enfermagem em seus diferentes níveis de atenção à saúde, com ações de promoção, prevenção, proteção e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência;

coordenar o processo de cuidar em enfermagem, considerando contextos e demandas de saúde;

prestar cuidados de enfermagem compatíveis com as diferentes necessidades apresentadas pelo indivíduo, pela família e pelos diferentes grupos da comunidade;

compatibilizar as características profissionais dos agentes da equipe de enfermagem às diferentes demandas dos usuários;

integrar as ações de enfermagem às ações multiprofissionais;

gerenciar o processo de trabalho em enfermagem com princípios de Ética e de Bioética, com resolutividade tanto em nível individual como coletivo em todos os âmbitos de atuação profissional;

planejar, implementar e participar dos programas de formação e qualificação contínua dos trabalhadores de enfermagem e de saúde;

planejar e implementar programas de educação e promoção à saúde, considerando a especificidade dos diferentes grupos sociais e dos distintos processos de vida, saúde, trabalho e adoecimento;

desenvolver, participar e aplicar pesquisas e/ou outras formas de produção de conhecimento que objetivem a qualificação da prática profissional;

respeitar os princípios éticos, legais e humanísticos da profissão;

interferir na dinâmica de trabalho institucional, reconhecendo-se como agente desse processo;

utilizar os instrumentos que garantam a qualidade do cuidado de enfermagem e da assistência à saúde;

participar da composição das estruturas consultivas e deliberativas do sistema de saúde; 

assessorar órgãos, empresas e instituições em projetos de saúde;

cuidar da própria saúde física e mental e buscar seu bem-estar como cidadão e como enfermeiro e; 

reconhecer o papel social do enfermeiro para atuar em atividades de política e planejamento em saúde.